WikiFox

Argumentum ad hominem



Argumentum ad hominem (latim, argumento contra a pessoa) é uma falácia informal identificada quando alguém procura negar uma proposição com uma crítica ao seu autor e não ao seu conteúdo.[1][2][3]

A falácia ocorre porque conclui sobre o valor da proposição sem examinar seu conteúdo. De acordo com Stephen Downes:

"Ataca-se pessoa que apresentou um argumento e não o argumento que apresentou. A falácia ad hominem assume muitas formas. Ataca, por exemplo, o carácter, a nacionalidade, a raça ou a religião da pessoa. Em outros casos, a falácia sugere que a pessoa, por ter algo a ganhar com o argumento, é movida pelo interesse. A pessoa pode ainda ser atacada por associação ou pelas suas companhias. [Todavia] o carácter ou as circunstâncias da pessoa nada tem a ver com a verdade ou falsidade da proposição defendida."[4]

O argumento contra a pessoa é uma das falácias caracterizadas pelo elemento da irrelevância, por concluir sobre o valor de uma proposição através da introdução, dentro do contexto da discussão, de um elemento que não tem relevância para isso, que neste caso é um juízo sobre o autor da proposição.

Pode ser agrupado também entre as falácias que usam o estratagema do desvio de atenção, ao levar o foco da discussão para um elemento externo a ela, que são as considerações pessoais sobre o autor da proposição.

Índice


Estrutura lógica

  • O autor X afirma a proposição P;
  • Há alguma característica considerada negativa em X;
  • Logo, a proposição P é falsa.

Tipos

Pode-se distinguir entre alguns tipos do argumento contra a pessoa, que lançam mão de estratégias ligeiramente diferentes:

  • Argumentum ad hominem abusivo[5]: é o ataque direto à pessoa, colocando seu caráter em dúvida e, portanto, a validade de sua argumentação.
A preocupação é em sublinhar e chamar a atenção para as características pessoais do debatedor no lugar de se analisar seus argumentos.
Exemplo:
“As afirmações de Richard Nixon a respeito da política de relações externas em relação à China não são confiáveis pois ele foi forçado a abdicar durante o escândalo de Watergate.”
O mesmo vale para outros casos semelhantes em que se sublinham as características pessoais e as experiências subjetivas do debatedor no lugar de se tentar refutar seus argumentos e apresentar contraprovas às evidências que ele apresentou.
  • Argumentum ad hominem circunstancial[5] (ad hominem circustantiae): coloca em foco a parcialidade do adversário, sugerindo que o último tem algo a ganhar com a defesa daquele ponto de vista.[carece de fontes?] Exemplo:
A: Fumar não causa nenhum tipo de mal.
B: É dono de uma grande empresa de cigarros, é claro que dirá isso.
Ver artigo principal: Bulverismo
  • Tu quoque (falácia do apelo à hipocrisia): o adversário é acusado de praticar algo muito semelhante ao que ele critica. Tu quoque significa em latim "você também". É um argumento muito comum e eficaz, pois tende a colocar o oponente na defensiva.[5] Exemplo:
A: As pessoas devem aprender a viver com o que ganham.
B: Mas você está completamente endividado e não faz qualquer esforço para mudar isso.
Ver artigo principal: Tu quoque
  • Falácia de associação (culpa por associação): Neste caso, a crítica não é dirigida diretamente ao autor da proposição, mas a uma terceira pessoa, que tem uma imagem negativa, à qual a tese que o autor original está defendendo é associada.

Um exemplo comum dessa falácia é a associação à figura de Hitler, apelidada de Reductio ad Hitlerum.


Exemplos

Clássicos ataques à figura de Charles Darwin

Em 2015, um artigo intitulado Experiential Thinking in Creationism - A Textual Analysis, publicado na Plos One, demostrou claramente um acervo de textos criacionistas que apelam pela demonização de cientistas evolucionistas como Charles Darwin na tentativa de invalidar as suas proposições científicas[6]:

"A teoria evolutiva foi associada a questões morais ao demonizar cientistas e ligar a teoria evolutiva às atrocidades (63-93% dos textos amostrados). As reações evolutivas das reivindicações criacionistas também continham depoimentos (93% dos textos amostrados) e referiam-se a implicações morais (80% dos textos amostrados), mas apresentavam menor prevalência de pensamento estereotipado (47% dos textos amostrados), viés de confirmação (27% dos textos amostrados) e pseudodiagnósticos (7% dos textos amostrados). Os aspectos do pensamento experiencial também podem ser interpretados como falácias argumentativas. Os depoimentos lideram, por exemplo, o ad hominem e apelo às autoridades." - Plos One, 2015.

Clássicos ataques à figura de Karl Marx

Embora os três trabalhos de Karl Marx sejam a base para os sociólogos e antropólogos terem um entendimento sobre os sistemas políticos capitalista, comunista e socialista,[7] ataques à sua figura[8] pessoal são costumeiramente realizados pelos opositores do sistema comunista que tentam refutar dadas proposições. Uma matéria da revista The Economist relata que demonização de Marx em grande parte do Ocidente é lamentável,[9] dada a importância de seus pensamentos para as ciências sociais.

Clássicos ataques à figura de Paulo Freire

O educador e filósofo brasileiro Paulo Freire, considerado um dos pensadores mais notáveis na história da pedagogia mundial e Patrono da Educação Brasileira[10] pela sua proposta do método de alfabetização dialético,[11][12] sofre costumeiramente ataques à sua figura pessoal por opositores ao dito modelo freireano de educação popular.[13][14] Em 2019 foi classificado como energúmeno por Jair Bolsonaro[15][16][17] e uma série de ataques levaram o Instituto Paulo Freire (IPF) à criar um curso contra fake news criadas para denegrir a imagem do educador.[18]

Clássicos ataques à figura de Stephen Hawking

Stephen Hawking, físico teórico e cosmólogo, um dos mais renomados cientistas do século[19], reconhecido internacionalmente por sua contribuição à ciência com obras que ajudaram a divulgar complexas teorias cosmológicas e a Origem do Universo, levantou diversos argumentos em seus livros contra a assertiva de que o universo seja fruto de uma causa inteligente pela inferência de uma deidade.[20] Muitos opositores de suas proposições tentam usar a doença neuronal motora que o paralisou como forma de reduzi-las ou desviar o foco da discussão. Um exemplo disso advém do jornalista Olavo de Carvalho que, ao discordar de alguns desses escritos de Hawking, lançou a seguinte declaração: “Não precisamos desprezar a obra do pobre Hawking por isso, porque o sujeito era doente. Mas, quando escreveu isso, ele não estava bem[21].


Ver também


Referências

  1. Leônidas Hegenberg; Flávio E. Novaes Hegenberg (2009). Argumentar . Editora E-papers. p. 376. ISBN 978-85-7650-224-1.
  2. «Britannica» (em inglês). Britannica.com. Consultado em 3 de maio de 2009
  3. «Dicionário escolar de filosofia - falácia ad hominem» . Defnarede.com. Consultado em 3 de maio de 2009. Arquivado do original em 13 de abril de 2009
  4. DOWNES, Stephen. «Fugindo do Assunto» . Crítica na Rede
  5. a b c «Galilean library - Introducing Philosophy 16: A Guide to Fallacies» (em inglês). Galilean-library.org. Consultado em 3 de maio de 2009. Arquivado do original em 5 de fevereiro de 2009
  6. Nieminen, Petteri; Ryökäs, Esko; Mustonen, Anne-Mari (3 de março de 2015). «Experiential Thinking in Creationism—A Textual Analysis» . PLOS ONE. 10 (3): e0118314. ISSN 1932-6203 . doi:10.1371/journal.pone.0118314
  7. Mundo Esatranho, Redação (2011). «Qual a diferença entre comunismo e socialismo?» . Superinteressante. Consultado em 25 de abril de 2020
  8. McBride, William L. (28 de novembro de 2016). «Evil in the philosophy of Karl Marx» . Journal of Chinese Studies (em inglês). 1 (1). 1 páginas. ISSN 2199-868X . doi:10.1186/s40853-016-0003-y
  9. «What would Marx say?» . The Economist. ISSN 0013-0613
  10. Ferrari, Márcio (2008). «Paulo Freire, o mentor da educação para a consciência» . Nova Escola. Consultado em 20 de abril de 2021
  11. CORTELLA, Mario Sergio (janeiro de 2012). «É preciso rejeitar a despamonhalização da vida ». Almanaque Brasil (153): 14. Consultado em 20 de abril de 2021
  12. Pratt-Adams, Simon; Maguire, Meg; Burn, Elizabeth (10 de junho de 2010). Changing Urban Education (em inglês). [S.l.]: A&C Black
  13. KOHAN, Walter Omar. O que nos faz pensar… Paulo Freire? . O que nos faz pensar, [S.l.], v. 28, n. 45, p. 272-287, dec. 2019. ISSN 0104-6675.
  14. Kincheloe, Joe L. (2012). «Critical Pedagogy in the Twenty-First Century: Evolution for Survival» . Counterpoints: 147–183. ISSN 1058-1634 . Consultado em 20 de abril de 2021
  15. Lee, Arthur Ki Beak; Tetzlaff, Viviane Nunes (16 de março de 2021). As Políticas Educacionais e Desenvolvimentistas no Brasil: o antagonismo entre o trabalhismo e o liberalismo . [S.l.]: Editora Dialética
  16. CartaCapital (17 de dezembro de 2019). «Chamado de energúmeno por Bolsonaro, Paulo Freire será homenageado no Senado» . CartaCapital. Consultado em 20 de abril de 2021
  17. Cerioni, Clara (17 de dezembro de 2019). «Senado aprova homenagem a Paulo Freire um dia após ataque de Bolsonaro» . Revista Exame. Consultado em 20 de abril de 2021
  18. Oliveira, Adriana Marques de;; et al. «Paulo Freire em tempos de fake news: Edição 2020 | LIVRO DIGITAL | Even3 Publicações» . Paulo Freire em tempos de fake news: Edição 2020 | LIVRO DIGITAL - Even3 Publicações. Consultado em 20 de abril de 2021
  19. Genius by Stephen Hawking | PBS (em inglês), consultado em 7 de julho de 2021
  20. Sample, Ian (15 de maio de 2011). «Stephen Hawking: 'There is no heaven; it's a fairy story'» . the Guardian (em inglês). Consultado em 7 de julho de 2021
  21. Burgierman, Denis Russo (14 de março de 2019). «Críticas a Hawking, Darwin e à Folha» . Época. Consultado em 7 de julho de 2021



Ligações externas

Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia




Fonte


Data da informação: 19.09.2021 05:00:09 CEST

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença do texto: CC-BY-SA-3.0. Os autores e licenças das imagens individuais e dos media podem ser encontrados na legenda ou podem ser exibidos clicando na imagem.

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Nota importante Uma vez que o conteúdo dado foi adquirido por máquina da Wikipedia na altura indicada, um exame manual foi e não é possível. Portanto, WikiFox.org não garante a exactidão e a actualidade do conteúdo. Se entretanto as informações estiverem erradas ou se estiverem presentes erros na representação, pedimos-lhe que nos contacte: email.
Veja também: Impressão & Política de Privacidade.