WikiFox

Ator


(Redirecionado de Atriz)

Nas artes cénicas, atriz ou ator (AO 1945: actriz ou actor) é uma pessoa que interpreta e representa uma ação dramática baseando-se em textos, estímulos visuais, sonoros e outros, previamente concebidos por um autor ou criados através de improvisações individuais ou coletivas; utiliza-se de recursos vocais, corporais e emocionais, apreendidos ou intuídos, com o objetivo de transmitir ao espectador o conjunto de ideias e ações dramáticas propostas; pode utilizar-se de recursos técnicos para manipular bonecos, títeres e congéneres; pode interpretar sobre a imagem ou a voz de outrem; ensaia procurando aliar a sua criatividade à do encenador; atua em locais onde se apresentam espetáculos de diversões públicas e/ou nos demais veículos de comunicação.[1]

Índice

SECTION_REPLACE

Na Antiguidade Clássica

O primeiro ator da história chamava-se Téspis de Ática, que criou o monólogo ao apresentar-se em plena Dionisíaca, na Grécia Antiga, no século V a.C. em Atenas. Trazido de Icária pelo tirano Pisístrato, o pretenso ator (que na época chamava-se hipocritès ou seja fingidor), munido de máscara e vestindo uma túnica, interpretou o deus Dionísio, destacando-se do coro, sobre a sua carroça que mais tarde ficaria conhecida como "carro de Téspis", criando um argumento artístico dentro de uma apresentação litúrgica politeísta, criando o papel do protagonista, num movimento que futuramente ficaria conhecido como tragédia grega.

Tespis também criou a conotação de segundo ator, ou o que mais tarde Ésquilo chamaria de deuteragonista, ao interpretar dois personagens através de duas máscaras (uma na parte frontal do corpo e outra na parte das costas). O ator passa a existir juntamente com o teatro, pois o ato estético coletivo de origem grega, tem seu alicerce no binômio ator-espectador. Sem o ator em cena diante de um público não há teatro. O título de primeiro ator da história do teatro no ocidente é do poeta trágico Téspis, que, em suas peças, representava vários papéis, simultaneamente. Nas tragédias gregas, era comum não se reconhecerem os atores em cena pois eles utilizavam grandes máscaras, figurinos alongados e tamancos altos, de madeira, denominados “coturnos”. A impostação de voz do ator grego era de extrema importância, em razão do uso da máscara e pelo local aberto das apresentações. Os tragediógrafos gregos representavam os papéis que escreviam. Mais tarde, Sófocles começou a desvincular autor e ator.

Quando o império romano se apropria da cultura grega, assimila um teatro, já decadente, com atores buscando um profissionalismo de efeitos grosseiros e gratuitos. O público romano opta por espetáculos circenses, jogos violentos e competitivos e diferentes formas de corridas, não valorizando a arte dramática. Sendo assim o ator começa a se especializar na mímica, dança e acrobacia. Os mais compromissados com as artes dramáticas migram para o campo, longe da cidade, praticando o mimo e caindo no gosto popular.

Idade Média e Renascimento

Com as invasões bárbaras, no início da Idade Média, surgem os atores trovadores e menestréis, pois os teatros haviam sido fechados ou destruídos, e esses atores ambulantes passam a se apresentar em feiras, aldeias e cidades. Na época, um cristão batizado era proibido de assistir ou participar de qualquer encenação teatral, exceto aquelas de caráter litúrgico, como os autos e os mistérios.

As mulheres, que, desde o surgimento do teatro, eram impedidas de atuar (sendo os papéis femininos representados por homens) aparecem em cena no teatro de rua, com a Commedia dell'Arte, a partir do século XV. No início do Renascimento, as companhias ambulantes passam a profissionalizar os atores da Commedia dell'Arte, que começam a ser contratados por senhores e nobres, para apresentação de suas farsas e participações nos triunfos.

Na encenação oriental, o ator é envolvido por rituais e cerimônias religiosas. Na China, o ator precisa dominar o gestual, o canto e a palavra, em razão da simplicidade cenográfica e da tradição da linguagem simbólica de sua cultura. No Japão, o e o Kabuki são as duas formas de teatro mais conhecidas e tradicionais.

Ainda no Renascimento, quando o triunfo e o teatro de rua passam a ocupar os palcos de salas fechadas, o ator precisa reeducar sua forma de atuar, isto porque o gesto sutil do ator em cena já será suficiente para mostrar a identidade da personagem, dispensando-se os recursos utilizados ao ar livre. As biografias são típicas desse período do antropocentrismo, e com elas surgem as “vedetes” do teatro. É na Commedia dell'Arte que muitos atores e atrizes vão fazer carreira com personagens fixos, alguns vivendo esses personagens até a morte. No século XVI, o Queen's College (Londres), obrigava seus alunos a assistirem ou a atuarem nas encenações teatrais, e os que se recusavam eram expulsos.

Modernidade

No Iluminismo do século XVIII, muitas ideias e escritos filosóficos sobre a preparação e o trabalho do ator foram surgindo, porém o primeiro trabalho mais significativo foi o Paradoxo sobre o ator (Paradoxe sur le comédien), do francês Denis Diderot (1713-1784). No século XIX, surge a linguagem dos melodramas, em que os atores e atrizes são o foco de atenção na encenação teatral, e o público vai ao teatro apenas para vê-los. É o chamado academismo francês e italiano. No final do século, o naturalismo começa a se firmar, e o ator a se preocupar com a verdade cênica, ou melhor, a “fé cênica”.

O russo Constantin Stanislavski (1863-1938) dedica-se a produzir fundamentos e métodos para o trabalho do ator, contribuindo com os livros A preparação do ator, A composição do personagem, e A criação de um papel. Sua proposta era a de que o ator lutasse contra a falsa teatralidade e o convencionalismo, desta forma utilizando as bases do naturalismo psicológico e exigindo do ator, nos ensaios ou diante do público, a concentração e a fé cênica, de modo a construir uma quarta parede imaginária. Suas ideias foram divulgadas no Brasil por Eugênio Kusnet.

Paralelo ao naturalismo de Stanislavski, acontecia a concepção biomecânica, de Meyerhold (1874-1942), segundo a qual os atores apareciam em forma de marionetes com múltiplas habilidades cênicas, numa estética construtivista em que a quarta parede torna-se inviável. Gordon Craig (1872-1967) chegou a propor uma supermarionete em cena, por acreditar que o ator deveria ser menos sonoro e mais visual, dominando suas emoções em cena.

O ícone do teatro do século XX foi Bertolt Brecht (1898-1956), que resgatou a estética do teatro épico e criou um teatro dialético, onde o ator e espectador estariam em constante reflexão diante da ação teatral. Enquanto Stanislavski propunha a identificação do ator e do público com o personagem, Brecht acreditava no distanciamento, no senso crítico. Esse efeito de distanciamento (Verfremdung effekt) também é conhecido como “estranhamento brechtiano”.

No Brasil, as ideias de Brecht foram apresentadas por Augusto Boal (1931-2009), no seu “sistema de coringa”, que permite ao ator trabalhar com o distanciamento em diferentes papéis. A estética teatral de Augusto Boal, denominada Teatro do Oprimido, propõe-se a oferecer um arsenal de suporte para o trabalho teatral crítico-reflexivo da realidade, podendo também ser usado por não atores. "Todos podem ser atores, seja no palco, no trabalho, na escola, na rua, em casa,... até invisível", como propõe Boal. O teatro é um ato estético coletivo, cabendo-nos certificar o nosso papel diante do mundo contemporâneo.

Ver também

Referências

  1. Teatro Enciclopédia.

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Wikiquote Categoria no Wikiquote
Commons Categoria no Commons





Fonte


Data da informação: 01.05.2022 02:24:35 CEST

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença do texto: CC-BY-SA-3.0. Os autores e licenças das imagens individuais e dos media podem ser encontrados na legenda ou podem ser exibidos clicando na imagem.

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Nota importante Uma vez que o conteúdo dado foi adquirido por máquina da Wikipedia na altura indicada, um exame manual foi e não é possível. Portanto, WikiFox.org não garante a exactidão e a actualidade do conteúdo. Se entretanto as informações estiverem erradas ou se estiverem presentes erros na representação, pedimos-lhe que nos contacte: email.
Veja também: Impressão & Política de Privacidade.