WikiFox

Tessália



Tessália (em grego: Θεσσαλία; romaniz.: Thessalía; em tessálio: Πετθαλία - Petthalía) é o nome tradicional de uma antiga região geográfica e de uma moderna região administrativa da Grécia. Ela faz fronteira com a Macedônia ao norte, o Epiro no oeste, a Grécia Central no sul e o Mar Egeu no leste. As Espórades também fazem parte da região.

Mapa antigo da Grécia mostrando a região da Tessália (borda vermelha) no centro

Antes da Idade das Trevas grega, era conhecida como Eólia (Aeolia; Αἰολία) e é com este nome que ela aparece na Odisseia de Homero.

A região tornou-se parte da Grécia moderna em 1881 depois de quatro séculos e meio de controle otomano. Desde 1987, a região passou a ser uma das 13 regiões do país[1] e está subdividida (desde o plano Kallikratis de 2010) em 5 unidades regionais e 25 municípios. A capital da região é Lárissa.

O porto mais importante é Vólos, o terceiro mais importante de toda a Grécia. Ao contrário da crença popular, a cidade de Tessalônica não fica na Tessália, mas na província da Macedônia (Thessaloniki significa "vitória sobre os tessálios" e não "vitória dos tessálios").

Índice

SECTION_REPLACE

Geografia

Tessália.

A Tessália ocupa o lado leste da bacia que corre da cordilheira de Pindo do sul da Macedônia até o Mar Egeu. A porção norte da região é dominada pelos picos da cordilheira, que se estende na direção sudoeste-nordeste e inclui o Monte Olimpo perto da fronteira macedônia. Entre estes picos estão rios e seus vales. A extremidade oriental da cordilheira segue para o sudeste a partir do Olimpo pela costa do Egeu até a península de Magnésia, que envolve o golfo Pagasético (também chamado de golfo de Volos) formando uma enseada. O maior rio da Tessália, o Pineios, corre para o leste a partir do centro da cordilheira de Pindo, logo ao sul dos picos, e desemboca no golfo Termaico.

As terras baixas de Trícala e Lárissa formam uma planície circundada por um anel montanhoso. Por causa dos verões e invernos bem definidos e das intensas chuvas de verão, esta planície é muito fértil e, por isso, a Tessália é conhecida como "Celeiro da Grécia". Ainda hoje, a região detém a maior produção agrícola do país.

Além disso, a região tem fronteira topográficas bem definidas: os montes Chasia e Kamvounia estão ao norte, o maciço do Olimpo, para o nordeste. Para o oeste está a cordilheira de Pindo e, para o sudeste, os montes costeiros de Óssa e Pelion.

Diversos afluentes do Pineios também irrigam a região.

Mitologia

Na Odisseia, Ulisses visita o reino de Aeolus, o nome antigo da Tessália. Além disso, a planície da Tessália, que está entre o Monte Oeta e o Monte Olimpo, é o local da batalha entre os titãs e os olímpicos.

Ainda de acordo com as lendas gregas, Jasão e os Argonautas se lançaram em busca do "Velocino de Ouro" partindo da península de Magnésia.

História

História antiga

Provincia Thessalia
Província da Tessália
Província do(a) Império Romano e Império Bizantino
 
395-séc. VII

Macedonia ad400.png
Diocese da Macedônia em 400 d.C.
Capital Lárissa

Período Antiguidade Tardia
395 Reformas de Diocleciano
Séc. VII Invasão eslava dos Bálcãs

Importantes traços de culturas neolíticas e calcolíticas foram descobertas na Tessália datando do período entre 6 000 e 2 500 a.C. (veja cerâmica cardial, Dimini e Sesklo). Assentamentos micênicos também foram descobertos na região, como Iolcos, Dimini e Sesklo (perto de Vólos). Durante os períodos arcaico e clássico, as terras baixas da Tessália foram ocupadas por famílias aristocráticas gregas, como os Aleuadas (Aleuadae) de Lárissa ou os Escópades (Scopades) de Crannon. No século IV a.C., Jasão de Feras transformou a região numa potência militar, revivendo brevemente o auge do poderio tessálio do início do período arcaico. Logo depois, Filipe II da Macedônia foi nomeado arconte da Tessália e ela passou, a partir daí e por alguns séculos, a ser associada ao Reino da Macedônia.

No final da Primeira Guerra Macedônica em 197 a.C., o general romano Flamínio libertou a região juntamente com Orestis.[2] Em 146 a.C., a Tessália passou para o controle direto do Império Romano e foi incorporada à nova província da Macedônia juntamente com o Velho Epiro.

Durante a reforma de Diocleciano (r. 284-305), as províncias da Grécia romana foram reformuladas e a província da Tessália foi criada, subordinada à Diocese da Mésia da Prefeitura pretoriana da Itália. Quando Constantino I (r. 306–337) repartiu a Diocese da Mésia para criar a Diocese da Macedônia, a Tessália passou a subordinar-se a ela. Quando a prefeitura pretoriana da Ilíria foi criada em meados do século IV, a Diocese da Macedônia passou para sua jurisdição levando consigo a Tessália.

Entre 395 e 397, assim como a maior parte da Grécia, a Tessália foi ocupada pelos visigodos de Alarico, que só foram expulsos depois da campanha do general romano Estilicão.[3]

Sés episcopais

As sés episcopais da província que aparecem no Anuário Pontifício como sés titulares são:[4]

Invasões ávaras e período bizantino

Depois da queda do Império Romano do Ocidente, a Tessália foi herdada pelo Império Bizantino no oriente.

Os ávaros chegaram ao continente europeu na década de 550[5]:29 e conseguiram se impor sobre os eslavos, que, divididos por disputas tribais, foram incapazes de se defender.[5]:30 Os ávaros se aproveitaram e conseguiram uni-los num poderoso exército e, no século VII, esta nova aliança ávaro-eslava começou a atacar o território bizantino, cercando Tessalônica (617) e também a capital imperial, Constantinopla.

De acordo com o "Sinecdemos", no século VI, a província tinha 16 cidades, incluindo as ilhas de Escíatos, Escópelos e Peparisto.[6] Assim como a maior parte dos Bálcãs, a Tessália sofreu muito com as invasões eslavas entre os séculos VI e VIII[7]: não menos do que cinco entre as principais cidades da região desapareceram depois do século VII e tribos eslavas se assentaram nas regiões norte e nordeste da Tessália. Esta região também recebeu uma grande quantidade de pastores valáquios e passou a ser chamada de "Grande Valáquia".[6] No século VIII, os eslavos já haviam ocupado a maior parte dos Bálcãs, da Áustria ao Peloponeso e do Adriático até o Mar Negro, com exceção da região costeira e de alguns enclaves nas montanhas da península da Grécia[5]:36. As relações entre os invasores e os gregos nativos eram provavelmente pacíficas, com a possível exceção do período inicial da invasão e durante algumas revoltas que irrompiam intermitentemente.[5]:63

Ver artigo principal: Tema da Hélade

Depois que impulso inicial das guerras bizantino-árabes se abateu, o Império Bizantino começou a consolidar seu controle sobre as regiões do interior da Grécia que haviam sido ocupadas pelas tribos eslavas. Depois das campanhas do general Estaurácio em 782-783, os bizantinos conseguiram recuperar a Tessália (que foi incorporada ao Tema Heládico), capturando muitos prisioneiros no processo.[8] Apesar dos raides búlgaros e dos ataques dos piratas sarracenos, a província conseguiu gradualmente ir se recuperando, principalmente depois do reinado de Nicéforo I, o Logóteta e a, depois do século IX, nove novas cidades despontaram na Tessália.[6][9] Com exceção de algumas expedições militares contra os eslavos, o processo de re-helenização prosseguiu e passou a envolver grandes movimentações, por vezes forçadas, de populações inteiras[5]:81. Muitos eslavos foram transferidos para outras partes do império, principalmente para a Anatólia, onde passaram a servir no exército bizantino[5]:66. Por outro lado, muitos gregos que viviam na Sicília e na Ásia Menor foram levados para o interior da Grécia para aumentar o número de potenciais soldados à disposição do imperador e também para diluir a concentração da população eslava[5]:82. Além disso, conforme mais e mais territórios bizantinos iam sendo perdidos nos séculos seguintes (Sicília, sul da Itália, Ásia Menor), os gregos que viviam nestas regiões geralmente voltavam para a Grécia como refugiados.

Em 977, a Tessália passou a ser alvo dos ataques do Império Búlgaro e, em 985, durante a guerra contra Basílio II, o tsar Samuel da Bulgária saqueou Lárissa. Apesar da grande proporção de sua campanha na Tessália e no Peloponeso, Samuel foi derrotado na Batalha de Esperqueu.[10]

Alta Idade Média

Diversos estados latinos foram criados na Grécia depois da conquista de Constantinopla pelos latinos. A Tessália trocou de mãos diversas vezes na época.

A insatisfação geral com os altos impostos levou, em 1066, a uma revolta aberta das populações aromaniana e búlgara da Tessália, liderados pelo senhor local Niculitza Delfina.[11] Esta revolta, que começou em Lárissa, logo se expandiu para Trícala e depois avançou para o norte em direção à fronteira bizantino-búlgara.[11] A revolta só terminou depois que o imperador aceitou negociar, mas, ainda assim, ele prendeu Niculitza e o manteve cativo em Amaseia, na costa do Mar Negro na Ásia Menor.[12]

Entre 1199 e 1201, outra revolta, liderada por Manuel Camitzes, genro do imperador bizantino Aleixo III Ângelo, fracassou.[13]

Em 1204, depois da conquista de Constantinopla pela Quarta Cruzada, a Tessália foi conquistada pelo Reino da Tessalônica de Bonifácio I de Monferrato. A região, cujo território se sobrepunha parcialmente ao da Grande Valáquia, foi libertada por Teodoro Comneno Ducas, do Despotado de Epiro, em 1215. Ela permaneceu sob o comando de Teodoro e de seus sucessores em Tessalônica até 1239, quando um monarca deposto da cidade, Manuel Comneno Ducas, a conquistou de seu sobrinho, João Comneno Ducas, assegurando assim seu próprio quinhão entre as muitas posses da família na região. Quando Manuel morreu, c. 1241, a Tessália passou para o controle do déspota do Epiro Miguel II Comneno Ducas. Finalmente, quando este morreu c. 1268, a Tessália tornou-se uma possessão de um ramo distinto - e ilegítimo - da família comandado por João I Ducas, cujas possessões se estendiam até a Acarnânia e a Etólia. Em 1309, os almogávares da Companhia Catalã do Oriente (Societas Catalanorum Magna) se assentaram na região. No ano seguinte, passaram a servir como mercenários ao sebastocrator João II Ducas e tomaram o despotado. De lá, seguiram para o Ducado de Atenas a pedido do duque Gualtério V de Brienne. Em 1318, com o fim da dinastia Ângelo, os almogávares ocuparam Siderocastro e o sul da Tessália (1319), fundando o Ducado de Neopátria.

À extinção do ramo Ângelo seguiu-se um período de independência da Tessália, mas a situação na região era cada vez mais caótica. Na década de 1330, uma nova tentativa de assegurar o controle epirota sobre a região resultou numa invasão dos bizantinos, que controlaram a região entre 1335 e 1336. Porém, a reconquista não durou muito, pois a guerra civil de 1341-1347 enfraqueceu o império e permitiu que os sérvios se aproveitassem para conquistar as províncias bizantinas nos Bálcãs. A Tessália caiu em 1348, com a nobreza local reconhecendo a autoridade do expansionista imperador sérvio Estêvão Uresis IV. A morte deste e do governador e general Gregório Prealimpo no inverno de 1355-1356 provocou novas revoltas.

A autoridade sérvia foi finalmente erradicada por Nicéforo Orsini, mas, depois que ele morreu na Batalha de Anquíalo em 1359, a Tessália passou para o controle do meio-irmão de Estêvão, Simeão Uresis, que governava a partir de Trícala e se auto-proclamava "imperador do gregos e sérvios". Este período, de relativa prosperidade, continuou depois que a linhagem sérvia se extinguiu por volta de 1373.

Governantes da Tessália

Tessália
Planície da Tessália, o "celeiro da Grécia".
Monte Kisavos visto de Lárissa.

(controle bizantino - 1335–1348)

  • Miguel Monômaco (1333–1342), governador (a partir de 1333, na Tessália oriental; a partir de 1335, em toda a região)
  • João Ângelo (1342–1348), governador e sebastocrator

(controle sérvio - 1348–1356)

  • Nicéforo II Orsini (1356–1359), déspota
  • Simeão Uresis Paleólogo (1359–c. 1370), "imperador dos sérvios e gregos"
  • João Uresis Ducas Paleólogo (c. 1370–c. 1373), "imperador dos sérvios e gregos"

(suserania bizantina - ca. 1373–1394)

(conquista otomana)

Tessália otomana

Ver artigo principal: Grécia otomana

Os otomanos invadiram a Tessália pela primeira vez em 1386, quando Gazi Evrenos tomou Lárissa por um tempo, reduzindo o território dos Ângelos-Filantropenos aos seus domínios na Tessália ocidental, perto de Trícala. Em 1392-1393, a segunda fase da invasão começou, novamente sob o comando de Evrenos. Os otomanos derrotaram Manuel Ângelo Filantropeno e retomaram Lárissa. A conquista se completou nos anos seguintes e, a partir de 1394, sob a supervisão pessoal do sultão Bajazeto I. As fortalezas de Vólos, Farsala, Domokos e Neopatras foram tomadas e, em 1395-1396, Trícala também caiu. Depois da desastrosa Batalha de Ancara (1402), os otomanos foram forçados a devolver a metade oriental da Tessália para os bizantinos enquanto que a outra metade passou a ser virtualmente independente. Dois castelos, Pteleos e Gardiki, passaram para os venezianos. Foi somente em 1423, depois do período conhecido como "Interregno Otomano", que o novo sultão, Murade II, reconquistou a Tessália e instalou ali colonos muçulmanos vindos da região de Cônia (que passaram a ser conhecidos como koniars, Κονιάροι) para assegurar o controle da região. Turakhan Beg tornou-se o primeiro governador muçulmano da Tessália. Gardiki e Pteleos conseguiram resistir ainda até 1470, quando finalmente caíram.

Em 1821, partes da Tessália e da Magnésia participaram das primeiras revoltas da Guerra da Independência da Grécia, mas foram rapidamente sufocadas. A Tessália passou a integrar a Grécia somente em 1881, depois do Tratado de Berlim.

Tessália moderna

Grécia Tessália

Περιφέρεια Θεσσαλίας

 
  Região  
Localização
Localização da Tessália na Grécia
Coordenadas 39° 30' N 22° E
País Grécia
Administração
Capital Lárissa
Características geográficas
Área total 14,037 km²
População total (2005) 760,714 hab.
Densidade 54,2 hab./km²
Fuso horário EET (UTC+2)
Horário de verão EEST (UTC+3)
Outras informações
Unidades regionais Carditsa
Lárissa
Magnésia
Trícala
Sítio www.thessalia.gr

Demografia

De acordo com o censo liderado pelo ESYE em 2011, a população da Tessália era de 732 762 e representava 6,8% da população grega na época, uma redução de 2,8% em relação a 2001, mas ainda assim o suficiente para que a região se colocasse como a terceira mais populosa da Grécia.

A região metropolitana de Lárissa, a capital da Tessália, tem mais de 230 000 habitantes, a maior da região.

Principais assentamentos

Referências

  1. Π.Δ. 51/87 “Καθορισμός των Περιφερειών της Χώρας για το σχεδιασμό κ.λ.π. της Περιφερειακής Ανάπτυξης” (Determination of the Regions of the Country for the planning etc. of the development of the regions), ΦΕΚ A 26/06.03.1987
  2. Lívio. xxxiii. 34, xxxiv. 51, Políbio. xviii. 30.
  3. Treadgold (1997), pp. 79–82
  4. Annuario Pontificio 2013 (Libreria Editrice Vaticana 2013 ISBN 978-88-209-9070-1), "Sedi titolari", pp. 819-1013
  5. a b c d e f g Fine, John V. A., Jr. 1983, Early Medieval Balkans: A Critical Survey From the Sixth to the Late Twelfth Century, University of Michigan Press ISBN 9780472100255
  6. a b c Kazhdan (1991), p. 2073
  7. History of Humanity: From the seventh century B.C. to the seventh century A.D. [S.l.]: UNESCO. 1996. p. 252. ISBN 978-92-3-102812-0
  8. Fine, John Van Antwerp (15 de maio de 1991). The early medieval Balkans: a critical survey from the sixth to the late twelfth century . [S.l.]: University of Michigan Press. p. 79. ISBN 978-0-472-08149-3. Consultado em 9 de fevereiro de 2011
  9. Treadgold (1997), p. 539
  10. Treadgold (1997), pp. 516, 522
  11. a b Fine, John Van Antwerp (15 de maio de 1991). The early medieval Balkans: a critical survey from the sixth to the late twelfth century . [S.l.]: University of Michigan Press. p. 216. ISBN 978-0-472-08149-3. Consultado em 9 de fevereiro de 2011
  12. Curta, Florin. Southeastern Europe in the Middle Ages, 500-1250 (em inglês). [S.l.: s.n.] p. 280. Consultado em 28 de novembro de 2012
  13. Oaks, Dumbarton; Hendy, Michael F. (1 de janeiro de 1999). Catalogue of the Byzantine coins in the Dumbarton Oaks Collection and in the Whittemore Collection: Volume four. Alexius I to Michael VIII (1081-1261).. Alexius I to Alexius V (1081-1204) . [S.l.]: Dumbarton Oaks. p. 131. ISBN 978-0-88402-233-6. Consultado em 9 de fevereiro de 2011

Ligações externas

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Tessália
  • «Site oficial» (em grega). Consultado em 22 de janeiro de 2013
  • Bagnall, R., J. Drinkwater, A. Esmonde-Cleary, W. Harris, R. Knapp, S. Mitchell, S. Parker, C. Wells, J. Wilkes, R. Talbert, M. E. Downs, M. Joann McDaniel, B. Z. Lund, T. Elliott, S. Gillies. «Places: 991374 (Thessalia)» . Pleiades. Consultado em 8 de março de 2012



Fonte


Data da informação: 21.08.2022 02:31:22 CEST

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença do texto: CC-BY-SA-3.0. Os autores e licenças das imagens individuais e dos media podem ser encontrados na legenda ou podem ser exibidos clicando na imagem.

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Nota importante Uma vez que o conteúdo dado foi adquirido por máquina da Wikipedia na altura indicada, um exame manual foi e não é possível. Portanto, WikiFox.org não garante a exactidão e a actualidade do conteúdo. Se entretanto as informações estiverem erradas ou se estiverem presentes erros na representação, pedimos-lhe que nos contacte: email.
Veja também: Impressão & Política de Privacidade.